sexta-feira, junho 21, 2024
InícioMeio AmbienteDia da Mata Atlântica é comemorado com avistamento de espécies ameaçadas e...

Dia da Mata Atlântica é comemorado com avistamento de espécies ameaçadas e endêmicas do Estado

A data de 27 de maio de 2024, Dia da Mata Atlântica, foi marcada pelo avistamento de pássaros e na observação da vida selvagem de outras espécies da fauna e flora endêmicas da mata do Caetés, no Espírito Santo.

 A ação foi realizada na Reserva Kaetés e foi organizada pelo Instituto Marcos Daniel (IMD), uma organização não-governamental e sem fins lucrativos responsável pelo monitoramento da saíra-apunhalada no Estado, uma das aves mais raras do mundo.

A expedição uniu servidores da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama), do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) e do Ministério Público Estadual do Espírito Santo (MPE/ES), que se juntaram aos biólogos e educadores ambientais do Programa de Conservação Saíra-Apunhalada, do Instituto Marcos Daniel.

O intuito maior era ver a saíra-apunhalada (Nemosia rourei), uma espécie endêmica do Espírito Santo e criticamente ameaçada de extinção, com apenas 20 indivíduos na natureza. Destes, 15 estão na Mata de Caetés, um fragmento da Mata Atlântica de altitude localizado nas fronteiras dos municípios de Vargem Alta e Castelo, e os outros cinco na Reserva Biológica Augusto Ruschi, em Santa Teresa. O IMD mantém duas equipes de monitoramento nessas áreas para proteger a espécie e seu habitat.

“Estamos numa região com uma pilha de certificados de relevância ecológica, o que torna toda a Mata de Caetés um tesouro do Espírito Santo. Recentemente a Reserva Kaetés foi reconhecida pela Embratur como um dos destinos capixabas para o turismo de observação de aves”, ponderou Marcelo Renan de Deus Santos, presidente do Instituto Marcos Daniel e coordenador do Programa de Conservação da Saíra-apunhalada.

A gerente de Biodiversidade da Seama, Thais Volpi, elogiou o trabalho de preservação e do monitoramento da saíra-apunhalada feitos pelo Instituto, que também ajuda na preservação de outras 16 espécies ameaçadas de extinção, incluindo plantas, aves, mamíferos, anfíbios e peixes.

“Temos uma biodiversidade rica no Espírito Santo e que muitas espécies só podem ser vistas aqui, em nosso Estado, nos remanescentes florestais da Mata Atlântica de altitude que detém uma biodiversidade ímpar e altamente ameaçada”, explicou Thais.

Não foi possível o avistamento da saíra-apunhalada durante a expedição, porém o grupo conseguiu observar o sapinho Pingo de Ouro, também endêmico do Espírito Santo, sendo encontrado apenas naquela região da mata. Além do Bagrinho de Caetés, uma espécie com pouquíssimas áreas de registro e ameaçado. E outras plantas raras também foram avistadas pelo grupo, como a Philodendron spiritus-sancti e a orquídea Cattleya.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Anúncio
Anúncio

VEJA MAIS

Anúncio
Anúncio